Senadores Marcos Rogério, Jorginho Mello e Girão se pronunciam após STF ‘livrar’ governador de…

Senadores Marcos Rogério, Jorginho Mello e Girão se pronunciam após STF ‘livrar’ governador de comparecimento à CPI

Os senadores Jorginho Mello, Marcos Rogério e Eduardo Girão comentaram, pela manhã, a atuação do comando da CPI da pandemia, também conhecida como “CPI do Circo”, “CPI da Cortina de Fumaça”, e “Tribunal de Renan Calheiros”. A sessão de hoje deveria ouvir o governador do Amazonas, Wilson Lima, mas ele foi liberado da participação pelo STF.

O senador Jorginho Mello apontou: “a maioria aqui é contra o governo, é palanque político, para alguém jogar pra galera, aparecer, fazer debates já pensando na eleição do ano que vem…”. O senador ironizou a organização das atividades: “nós vamos nos reunir agora, quando o G7 achar que dá pra se reunir, né? E aí vamos ver o que vai ser deliberado. Me parece que vai ter um vídeo daquela doutora, aquela médica que queria ser ministra, aí deu errado e ela vai passar um cineminha pra nós”.

O senador Marcos Rogério apontou que, sem o depoimento dos governadores, a CPI fica “manca”. Ele questionou: “investigar o governo federal pode, mas indícios de corrupção não pode?”. Questionado sobre interferência do poder Judiciário sobre o Legislativo, o senador não quis comentar, afirmando apenas que a decisão impediu a oitiva de um governador contra quem pesam acusações gravíssimas.

O senador Eduardo Girão reiterou que a CPI perde a credibilidade ao recusar-se a investigar corrupção. O senador disse: “vamos continuar insistindo para buscar a verdade: governadores, Consórcio do Nordeste e prefeitos investigados pela Polícia Federal”. O senador desabafou: “O comando da CPI, e o Supremo, agora, com o apoio, mostra realmente que não quer olhar para corrupção”.

Inscreva-se em nosso canal para acompanhar todas as transmissões de Jair Bolsonaro, assim como os melhores vídeos sobre temas políticos: http://bit.ly/FolhaPoliticaYoutube
Acesse nosso site para mais informações: http://www.folhapolitica.org

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!