Paracanoísta Luan Guimarães Veloso apresenta rotina de treinos

Este episódio do Programa Especial fala sobre o paracanoísta Luan Guimarães Veloso, que tem deficiência física. Cadeirante desde 2014, depois de uma tentativa de assalto, ele conta como era a vida antes, a reação inicial após ser hospitalizado e como conheceu o esporte. O atleta também fala sobre os detalhes da paracanoagem e o treinador dele, Paulo Barbosa, explica a rotina de treinos. Já na série de entrevistas da Fernanda Honorato, sobre atividades artísticas, a repórter, que tem síndrome de Down, conversa com Wallace Vennon e Janette Machado sobre o Cinepalco, projeto deles de teatro inclusivo.

Luan era piloto de avião até 2014, quando sofreu uma tentativa de assalto e ficou com uma lesão medular e paraplegia. Ele conta que chegou a ter depressão por um ano e só foi melhorar depois de retornar ao mercado de trabalho, quando foi contratado para trabalhar no Metrô fazendo cartão de gratuidade justamente para pessoas com deficiência. Ele considera que foi uma oportunidade de encarar a situação de frente e que isso foi fundamental para o estado psicológico dele.

O paratleta diz também que só conheceu os esportes paralímpicos através de exemplos de pessoas que a família mostrava para ele. Na paracanoagem, a inspiração foi o ex-BBB e tetracampeão mundial, Fernando Fernandes. Além disso, ele fala que, assim como Fernando, é motivado a desafios grandes e superação.

O treinador de Luan, Paulo Barbosa, explica que a rotina de treinos é de segunda a sábado e a parte de condicionamento físico e mobilidade é auxiliada por um fisioterapeuta, para ajudar na reabilitação. Já o atleta detalha que a paracanoagem é dividida em duas categorias, velocidade e maratona, e três categorias, KL1, KL2 e KL3, na qual ele é o KL1, ou seja, de pessoas que usam a força principal os braços.

E Wallace Vennon e Janette Machado falam com Fernanda Honorato, na série sobre atividades artísticas, sobre quando começaram a trabalhar com pessoas com deficiência e como surgiu o Projeto Cinepalco. Eles também falam do festival de monólogos que criaram durante a pandemia, como uma forma de manter as finanças e as atividades em dia, e do sucesso que ele fez.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!