Descubra a meditação contemplativa

PRESENTE GRATUITO: Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma SÉRIE DE AULAS 100% ONLINE E GRATUITAS... A MISSÃO ESPIRITUAL DE CADA SIGNO<<<

A meditação costuma ser considerada um exercício mental. Embora isso seja verdade – além de ser um ingrediente necessário para qualquer prática espiritual – este “exercício” também nos permite aquietar nossa mente, nos conectar com o Divino interior; que é o objeto da Meditação Contemplativa.

Esta prática de meditação nos deixa sentindo revitalizados, energizados, mais em paz, em posse de maior sabedoria e mais compassivos. Por meio da prática, podemos alcançar a união com Deus.

O que é meditação contemplativa?

A meditação contemplativa, às vezes intercambiável com o rótulo “oração contemplativa”, é uma abordagem ocidental do que é comumente considerado uma prática oriental.

A meditação contemplativa surge da tradição mística cristã. Pode ser resumido como um método de manter nossa mente quieta para deixar Deus (A Fonte, O Infinito, O Divino) fluir.

É “ficar quieto e conhecer a Deus”.

Muitos estão condicionados a pensar imediatamente no budismo e no hinduísmo no que diz respeito às questões de meditação. Com razão, visto que a meditação é fortemente enfatizada nessas religiões – embora seja quase inexistente na superfície da espiritualidade abraâmica.

Mas a verdade é que houve místicos em todas as religiões e filosofias, em todo o mundo e ao longo da história, que praticaram essa experiência direta com o Divino; via meditação.

Como meditador, ou mesmo como quem demonstra interesse; você provavelmente é um místico. O misticismo simplesmente implica a experiência interna direta do Infinito, em oposição a confiar apenas nas escrituras, autoridade e fé.

Esta forma particular de meditação tem muitos nomes e pode ser testemunhada em:

  • Cristianismo contemplativo – Encontrado nas escolas contemplativas do Cristianismo, existe um método chamado “oração contemplativa”. Esta é a meditação sobre uma palavra sagrada, uma passagem bíblica, um foco na presença divina interior e outros símbolos sagrados que resultam em uma experiência mística com o Divino.
  • Marcas esotéricas do Cristianismo – Nos caminhos esotéricos do Cristianismo, a meditação “Eu Sou” é a chave. “Eu Sou” é considerado o Deus que habita em nós pelos seguidores esotéricos. Neste estilo de meditação, o praticante habita na Presença “Eu Sou” e recita “Eu Sou” como mantra.
  • Sufismo – O caminho dos místicos dentro do Islã. O objetivo do Sufi é estar consciente do Divino (Deus, Alá) em todos os momentos, até que não haja distinção entre Deus, meditação e vida diária.Isso é alcançado por meio do canto de mantras, respiração, meditação e contemplação de Deus.
  • Kabbalah – Um ramo místico do Judaísmo (ou melhor, uma prática que é influenciada e se planta dentro do Judaísmo) que pratica meditação em letras hebraicas sagradas e os nomes de mantras divinos – acompanhada por técnicas de respiração que acalmam a mente para que os praticantes possam diretamente experimente o Divino.
  • Hinduísmo – Mais notavelmente em Bhakti Yoga, que se traduz como “ioga devocional”; onde os adeptos cantam e meditam em mantras sagrados (que são os nomes de Deus). E como em todas as formas de Yoga, seu objetivo final é buscar a união com a Divindade.
  • Sikhismo – Leitura silenciosa das escrituras para si mesmo, ou o canto “Waheguru” (o nome de Deus) em um grupo.
  • Na religião e fora – é verdadeiramente universal. Nosso desejo de nos conectarmos com algo maior do que nós, nossa Fonte, sempre esteve conosco e permanecerá conosco fora da religião.

Embora o termo “meditação contemplativa” seja de origem cristã, o cerne da prática tem raízes mais profundas do que qualquer religião. Neste artigo, exploraremos essa prática tanto dentro do contexto místico cristão quanto do ponto de vista dos meditadores – também apresentando maneiras pelas quais podemos adaptar essa prática à nossa respectiva tradição (ou falta dela).

Breve história da meditação contemplativa dentro da tradição cristã

O início da meditação contemplativa dentro do Cristianismo é combustível para o debate. Alguns postulam que existe desde os tempos do Antigo Testamento. Existem várias referências no Antigo Testamento de palavras hebraicas que podem ser traduzidas como: “meditar”, “murmurar”, “musar” e “ensaiar mentalmente”.

A forma como um cristão esotérico interpretaria a Bíblia e os ensinamentos de Jesus é que ele ensinou misticismo e que a meditação era parte integrante de sua prática.

Muitos santos e monges notáveis ​​ao longo do tempo eram conhecidos por praticar e ensinar diferentes estilos de prática de meditação, como: Santo Inácio de Loyola, Santa Teresa de Ávila, São Francisco de Sales e os monges John Main e Thomas Merton.

Em tudo o que somos levados a acreditar, podemos ter certeza de que a meditação sempre teve um lugar dentro do Cristianismo; seja através da oração focada, da repetição do sagrado, ou através do silêncio e da solidão.

Semelhanças com outras formas de meditação

É importante notar, para qualquer pessoa que possa ter problemas religiosos por qualquer motivo; que as práticas contemplativas ocidentais traçam muitos paralelos com as práticas de mantras encontradas em outros lugares.

Conforme descrito acima, as práticas contemplativas de outras religiões quase espelham as do Cristianismo contemplativo. Embora a linguagem possa ser diferente em cada um, a fórmula é quase sempre a mesma: meditação, mantra (ou respiração) e contemplação do Divino, resultando em uma experiência direta com Deus.

Formas contemporâneas de meditação contemplativa

A meditação contemplativa foi revivida na década de 1970 por três monges trapistas em Massachusetts, EUA: Padre William Meninger , Basil Pennington e Thomas Keating. Esses três monges foram inspirados pelo místico / monge franco-americano Thomas Merton (que foi fortemente inspirado pelo pensamento oriental) e suas tentativas de trazer de volta as práticas contemplativas do passado cristão.

Os monges (como Merton) foram influenciados por sua exposição a professores espirituais do Oriente, por terem viajado pelo mundo e cujo mosteiro ficava próximo ao centro de meditação Buddhist Insight (Vipassana) em Massachusetts.

Em um mundo baseado em mapas anteriores ao Google, os meditadores budistas costumavam aparecer em seu mosteiro, confundindo-o com o centro do Insight; com quem os monges tinham uma relação estreita.

O professor progressista e autor Matthew Fox é o predecessor desses monges, continuando a tradição da “oração de centramento”. Mateus é um meditador ávido, bem versado em muitas tradições espirituais, que também pratica zazen (meditação Zen sentada) como uma ferramenta para aprofundar sua fé e experimentar Deus diretamente.

Por que a prática da meditação contemplativa?

A meditação contemplativa é um dos estilos de meditação mais gratificantes, pois nos conecta à Fonte que tantos anseiam. Essa conexão nos deixa revitalizados, com energia e em paz. Estar enraizado no Cristianismo é perfeito para aqueles de nós que buscam entrar na meditação e no misticismo, mas não conseguem entender a filosofia oriental e seus conceitos.

Mesmo que não sigamos necessariamente o cristianismo, ele ainda é ensinado com uma linguagem e ideias que nos são familiares culturalmente.

Como nosso relacionamento com o Divino é pessoal, os benefícios que recebemos de uma prática de meditação contemplativa podem ser diferentes.

Mas de um modo geral; quando aquietamos nossa mente, abrimos nosso coração e deixamos o Divino entrar, podemos esperar:

  • Para receber amor.
  • Orientação de uma fonte superior.
  • Alívio do estresse, lidando com os problemas do dia a dia com maior facilidade.
  • Uma nova relação com a vida, uma nova perspectiva e uma nova maneira de ser.
  • Mais energia ao afrouxar o controle sobre nossos fardos e nosso ego.
  • Purificação e transformação da mente.
  • Maior compaixão.
  • Sabedoria mais profunda
  • Para se tornar mais fundamentado e aberto.
  • Que alguns dos nossos problemas de saúde sejam resolvidos.
  • Maior produtividade em nosso dia a dia.

Como iniciar uma prática de meditação contemplativa?

Não faz muito tempo que a meditação contemplativa era estritamente reservada para aqueles que viviam na vida monástica. Felizmente, na década de 1970, os três monges trapistas que reviveram essa prática decidiram torná-la mais atraente e acessível aos leigos comuns.

Devido a esse avivamento, acompanhado pela extrema necessidade de algo mais profundo e significativo no oeste; há uma comunidade cada vez maior em torno da prática contemplativa. Isso é visto em centros em todo o mundo, com muitos retiros sendo oferecidos.

Em uma era moderna; esta prática de meditação está sendo ensinada fora das paredes dos mosteiros e das igrejas. Não pede que você se junte a nenhuma religião para aprendê-la.

Livros de meditação contemplativa

Para aqueles que procuram recursos para se equipar para assumir uma prática contemplativa por conta própria, eu recomendei alguns livros:

Mente aberta, coração aberto: a dimensão contemplativa do Evangelho

“Mente aberta, coração aberto: a dimensão contemplativa do Evangelho” é amplamente considerada a referência para introduções na prática obscurecida da meditação cristã. Seu autor, o padre Thomas Keating, foi um dos revivalistas da meditação contemplativa e o fundador do movimento da Oração Centrante.

A espiritualidade oriental, ou seja, o budismo, teve um grande impacto sobre o padre Thomas Keating. Ele foi exposto e trabalhou ao lado de muitos professores espirituais ao longo de sua carreira; o que influenciou a criação de sua forma de prática contemplativa: a oração de centramento.

“Open Mind, Open Heart” não abrange apenas a meditação contemplativa, mas o misticismo cristão e a vida contemplativa como um todo; inspirando não-cristãos e aprofundando a vida espiritual dos cristãos.

Silêncio Consciente: O Coração da Contemplação Cristã

A professora espiritual, ativista, humanitária, instrutora de ioga e oradora pública Philena Heuertz tem muitos papéis. Philena é tão completa quanto seu livro, “Mindful Science: The Heart of Christian Contemplation”.

Philena nos leva mais fundo na vida contemplativa; inspirando-se tanto no progressivo quanto no antigo, buscando extrair ensinamentos de mestres do passado.

“Mindful Silence” é uma ótima leitura para pessoas de qualquer religião que estão interessadas em uma compreensão mais profunda da vida contemplativa.

Como praticar a meditação contemplativa?

Novamente, é importante para mim reiterar que, embora esta meditação seja de origem cristã, estou escrevendo puramente do ponto de vista de um meditador.

Da mesma forma, descobriremos que a maneira como essa meditação é ensinada é muito irreligiosa e, portanto, pode ser facilmente adaptada e orientada para qualquer sistema de crença que tenhamos.

  1. Primeiro, escolhemos uma palavra, escritura ou imagem sagrada como um veículo para consentir com a Presença de Deus (ou Divino) dentro de nós.O símbolo que escolhemos é a intenção que estamos estabelecendo, assim como fazemos antes de nos envolvermos em qualquer meditação ou prática espiritual.

    De acordo com Thomas Keating (criador desta meditação em particular), é recomendável usar uma palavra sagrada que tenha apenas uma ou duas sílabas. Palavras como: “Deus, Jesus, Aba, Pai, Mãe, Maria, Amém, Amor, Escuta, Paz, Misericórdia, Deixa ir, Silêncio, Quietude, Fé, Confiança”.

    As palavras sagradas acima são obviamente de natureza cristã. Podemos nos sentir livres para usar qualquer palavra que ressoe conosco, e com o Divino interior, que nos permite nos conectar.

    Devo observar que, para alguns, em vez de usar uma palavra, voltar-se para dentro de nossa Presença Divina ou concentrar-se na respiração pode ser mais benéfico.

    Assim que tivermos uma intenção definida e uma palavra sagrada, devemos cumpri-la durante todo o período de meditação (que pode ser o tempo que você achar adequado). Qualquer tentativa de mudar o objeto de nossa meditação seria envolver os pensamentos, anulando o propósito da meditação.

  2. Em seguida, encontramos um lugar confortável para sentar, fechando os olhos, demoramos alguns instantes para nos acomodar.Queremos estar sentados em uma posição confortável, mas não muito confortável, para não ficarmos sonolentos. É por isso que é recomendado que nos sentemos com as costas direitas.

    Relaxamos nossos corpos e nossas mentes. Talvez demore alguns minutos para se concentrar em nossa respiração.

  3. Uma vez instalados, silenciosamente introduzimos nossa palavra sagrada em nossas mentes.Introduzimos a palavra suavemente, repetindo-a silenciosamente em nossas mentes.
  4. Se nos descobrirmos sendo distraídos por pensamentos, sensações, percepções, sentimentos ou quaisquer estímulos externos; nós simplesmente e gentilmente retornamos à nossa palavra sagrada.Espera-se que, em qualquer meditação, nossos pensamentos e sentimentos tentem nos distrair. Podemos até ceder à sua atração, às vezes várias vezes durante a meditação.

    Tudo bem.

    Não nos incomodamos com isso. Em vez disso, voltamos simples e suavemente ao nosso objeto de meditação. Neste caso, voltando à nossa palavra sagrada.

  5. No final de nossa meditação, nos sentamos em silêncio por alguns minutos.Fazemos isso de olhos fechados.

    A razão para isso é levar conosco os benefícios de nossa meditação ao longo do dia.

Pensamentos finais

O misticismo cristão e a prática contemplativa são verdadeiras joias, diamantes brutos com grandes recompensas, que infelizmente são ofuscados pelos dogmas do cristianismo tradicional. Esta é uma meditação e um modo de vida que vale a pena ser explorado por qualquer buscador espiritual.

O maior presente que recebemos é a capacidade de entrar e se conectar com a nossa Fonte, e a meditação contemplativa é um veículo adequado para isso.

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!