Bolsonaro aborda artigo 142, exige respeito à separação de poderes e contesta Moraes e Barroso…

Bolsonaro aborda artigo 142, exige respeito à separação de poderes e contesta Moraes e Barroso, do STF

Durante entrevista coletiva ao sair do hospital Vila Nova Star, em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro falou, entre outros assuntos, da separação dos poderes e do respeito à Constituição. Bolsonaro questionou os excessos cometidos por outros poderes, como no caso dos inquéritos conduzidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, e lembrou que todos deveriam respeitar a Constituição, mas apenas ele, que a respeita, é atacado pela velha imprensa.

Bolsonaro disse: “Eu respeito integralmente a Constituição. Vou falar uma coisa importante pra vocês. Tem gente sendo processada porque levantou faixinha do art. 142, é isso? É ou não é? É! Eu respeito o art. 1º da Constituição, respeito o art. 2º da Constituição, o décimo, o centésimo, e respeito o 142 também. Isso é crime? Eu jurei respeitar a Constituição. E estou respeitando isso aí. Algumas outras autoridades no Brasil não respeitam. A Constituição é ele, vale o que ele interpreta”.

O presidente explicou: “Quando o cara levanta uma faixinha, lá, “AI-5”. O que é isso? Existe ato institucional no Brasil? Não existe. Tem que pegar aquela pessoa e falar: ‘amigo, não existe isso aí, você está falando um absurdo’”.

Bolsonaro prosseguiu, questionando: “E outra coisa: tem limite a liberdade de expressão? Quem quiser passar gritando aqui qualquer coisa, inclusive ofensiva, fique à vontade. E se alguma pessoa porventura se sentir prejudicada, recorra à Justiça, ponto final”. O presidente questionou o significado da pecha de “atos antidemocráticos” e disse: “não dá para a gente conviver num país dito democrático com pessoas sendo presas e processadas por fake news e ‘atos antidemocráticos’. Por falar em fake news, cadê a Folha de São Paulo? É uma máquina de fake news. Ou tem democracia, e democracia se entende liberdade de expressão, direito de ir e vir. O artigo quinto da Constituição, meu Deus do céu! Estão lá as cláusulas pétreas. Nem o parlamento pode modificar nem um inciso do art. 5º da constituição. Entre os direitos, está o de ir e vir. Olhe o que alguns governadores fizeram: toque de recolher, lock***. Tiraram o emprego de milhões de pessoas. Fecharam igrejas. O que é uma igreja? É um refúgio! A pessoa está apavorada, quer fazer uma besteira, procura um padre, procura um pastor, recebe uma palavra de conforto, redireciona a sua vida. Fecharam isso tudo, a troco de quê?”.

O presidente também questionou o ativismo demonstrado por ministros do Supremo, em especial o ministro Luís Roberto Barroso, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral. O presidente lembrou que ele pode ser acusado de crime de responsabilidade se interferir em outro poder. E acrescentou: “mas depois que o Barroso visitou o parlamento, os líderes partidários trocaram os representantes da comissão para que votassem contra o voto impresso”. O presidente questionou: “Por que essa vontade doida do Barroso de manter o sistema como está?”

Bolsonaro reiterou o convite à velha imprensa para a apresentação que pretende fazer sobre as eleições de 2014. O presidente afirmou que, havendo uma única suspeita, um administrador isento buscaria imediatamente os meios para aperfeiçoar o sistema e torná-lo mais seguro. Bolsonaro perguntou: “Por que não querem aceitar isso aí? Por que as chaves criptográficas ficam na mão de meia dúzia de técnicos?”. O presidente lembrou que as pesquisas do Datafolha mostram o ex-presidente Lula com ampla vantagem, mas Lula não sai às ruas. Bolsonaro disse: “Todos nós queremos que, o cara que chegar, ninguém tenha desconfiança. E ainda me acusam de ser golpista! Quanta má-fé! O que vocês querem?”.

Questionado se nunca confiou na urna eletrônica, Bolsonaro disse: “No começo, eu confiei na urna eletrônica. Mas as tecnologias evoluem. Eu te pergunto: já que é tão confiável assim, por que o Japão não usa o mesmo método? A Coréia do Sul? …. Vários outros países aperfeiçoaram o sistema. Mas olha a má-fé de algumas autoridades: dizem ‘é retrocesso, é a volta do voto em papel’. Isso é MENTIRA. Falta caráter para quem fala isso aí. É o papel do lado da urna eletrônica e ninguém bota a mão no papel. E não é só isso: a apuração tem que ser pública. Temos que afastar aquela história de quem ganha a eleição não é quem tem votos, é quem conta os votos. O TSE não é uma instituição que tem poderes absolutos, não. Por coincidência, quem faz o maior ativismo contra o voto impresso é o ministro Barroso, presidente do TSE”.

Inscreva-se em nosso canal para acompanhar todas as transmissões de Jair Bolsonaro, assim como os melhores vídeos sobre temas políticos: http://bit.ly/FolhaPoliticaYoutube
Acesse nosso site para mais informações: http://www.folhapolitica.org

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!