ASTRÔNOMOS DESCOBREM MAIS DE 500 FRBS

VISITE A SPACE TODAY STORE, A PATROCINADORA OFICIAL DO CANAL SPACE TODAY:

https://spacetodaystore.com

A única maneira de entender um fenômeno, é conseguir observar um grande número desse fenômeno, a ponto de termos uma estatística razoável para poder fazer as interpretações de forma mais conclusiva.

Isso se aplica a tudo na nossa vida e principalmente em fenômenos astronômicos, quanto mais estrelas observarmos melhor será o entendimento de como elas funcionam, quanto mais galáxias observarmos melhor será a caracterização dos tipos de galáxias, quanto mais exoplanetas observarmos melhor poderemos entender a formação deles.

Mas existem fenômenos que não são tão fáceis assim de serem observados e detectados, mas que por sua vez são cruciais para entendermos o funcionamento de todo o universo.

Um desses são as chamadas FRBs, ou rajadas rápidas em ondas de rádio, ou explosões rápidas em ondas de rádio.

A primeira FRB foi descoberta em 2007, e desde então os astrônomos conseguiram detectar cerca de 140 dessas rajadas com os seus instrumentos.

As FRBs sempre foram questão de discussão, onde já até se cogitou serem o motor de naves alienígenas.

Para tentar detectar mais FRBs e entender melhor o fenômeno, os astrônomos construíram no Canadá um observatório especializado na sua detecção, o chamado CHIME.

E agora saiu o catálogo do primeiro ano de funcionamento do CHIME entre 2018 e 2019.

E sabe o que aconteceu, nesse primeiro ano, os astrônomos descobriram 535 FRBs.

O CHIME é composto por 4 grandes antenas parabólicas e é estacionário.

O coração das antenas é um poderoso processador de sinais que é capaz de trabalhar com uma grande quantidade de dados, numa taxa de 7 terabits por segundo.

É esse processador que faz com que o CHIME consiga detectar tantas FRBs assim.

Com essas detecções, a biblioteca de FRBs cresceu de forma definitiva, e com isso é possível caracterizar muito bem essas explosões.

Os astrônomos conseguiram separar as FRBs em duas classes distintas, aquelas que se repetem e as que não se repetem.

Foram 18 repetidas na base de dados do CHIME.

Essa diferença indica que os mecanismos e fontes astrofísicas sejam diferentes para cada tipo de FRB.

E o por que estudar e detectar FRBs?

As ondas de rádio produzidas nas explosões viajam pelo universoe podem ser dispersadas ou interagir com a matéria entre a emissão e a recepção.

Assim as FRBs funcionam como um farol iluminando a matéria e a estrutura de grande escala do universo.

Os astrônomos já vislumbram que com uma detecção cada vez maior de FRBs, será possível não só entender de forma definitiva a natureza e a origem delas, mas também elas poderão ser usadas como uma grande fonte de pesquisa cosmológica, para mapear as grandes estruturas do universo e entender a sua arquitetura.

Fontes:

https://phys.org/news/2021-06-chime-telescope-mysterious-fast-radio.html

https://arxiv.org/pdf/2106.04352.pdf

#FRB #CHIME #SPACETODAY

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!